SMS incentiva a participação do Bloco Doido É Tu no carnaval 2014

carnaval

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio da Célula de Atenção à Saúde Mental, firmou novamente, neste ano de 2014, a parceria com a Fundação Silvestre Gomes, idealizadora do já tradicional bloco carnavalesco “Doido É Tu”, em Fortaleza.

Fundado há cerca de sete anos, e com o título de bicampeão na Capital, o bloco "Doido É Tu", realiza um importante trabalho de inclusão e arte nos Centros de Atenção Psicossocial de Fortaleza (Caps), incentivando e fortalecendo cada vez mais a participação protagonista dos usuários, familiares e colaboradores dos Caps.

Com a música tema “Doido é Tu Patativando”, o bloco inova em 2014 apresentando na Avenida Domingos Olimpio o seu primeiro enredo em ritmo de samba. Outra novidade para este ano será a participação inédita das crianças usuárias dos Caps infantis de Fortaleza.

Em parceria com a SMS, a Fundação Silvestre Gomes iniciou as articulações para as apresentações do bloco no carnaval 2014.  Semanalmente os profissionais da Saúde Mental do Município, usuários e familiares dos Caps se reúnem com os organizadores do evento para definir as coordenadas, tendo como pautas de reunião: repasse de informações sobre o bloco; apresentação da música tema 2014; apresentação do vídeo do desfile 2013; divisão das alas por regional e apresentação dos esboços das fantasias.

Durante os dias 28, 29 e 30 de janeiro, o conceituado artista Jofran Fonteles Borges, do Instituto Semente das Artes, ministrará oficinas de percussão para os participantes da bateria do bloco. Os encontros serão realizados pela manhã, às 9h, na sede da Fundação Educacional Silvestre Gomes.

De acordo com assessora técnica da Célula de Atenção à Saúde Mental da SMS, Vanusia Monteiro, é de fundamental importância fomentar a ocupação desses espaços, que incentivam os processos de criação, inclusões e reinserções sociais, através da construção coletiva e de maneira igualitária, “o bloco contribui significativamente para a inserção social dos usuários da Rede através da arte, da livre expressão e da vivência cultural, além de atuar também como quebra de paradigmas acerca da loucura”, ressaltou a profissional.